leminski1

Pensata #1 – manoleminski

ctba 4/8/78

manorégis

as coisas que você faz
você faz passando
e para passar

o feito
é o superado

as pessoas
no entanto
te congelam
te reduzem
te prendem
ao que você fez ontem para não fazer mais hoje
nem nunca mais

todo ser em movimento
é perigoso
todo ser que se transforma
incomoda

que dizer diante das coisas que v. me diz estar passando?

Levei a vida inteira
acreditando que as palavras são instrumentos onipotentes

sei
hoje
que são as palavras que estão na vida
não é a vida que está nas palavras

não sei o que te dizer
gostaria de achar a frase
o grito
a sílaba que te fizesse mais bem

pode ser qualquer uma
POESIA
TRANSCENDA
FUJA
ESQUEÇA
ENFRENTE
ENDUREÇA POR DENTRO
REZE
TRABALHE
MEDITE
MUDE
TRADUZA TUDO EM TERMOS SEMIÓTICOS
ANALISE TUDO EM FUNÇÃO DA PLENITUDE QUE VOCÊ QUER ATINGIR
E AJA DE CONFORMIDADE
TRANSFORME EM SIGNOS OS ACONTECIMENTOS QUE TE ATORMENTAM
EM VERSO
IDEOGRAMA
PROSA
DIÁRIO
MEMÓRIAS
PALAVRAS PARA CANTAR

mas não te digo nada
te digo TE AMO
modo de dizer que sofro
não estou legal
por causa das coisas que se passam com você

nunca fui muito bom nesse negócio chamado vida
mas o tempo
entre um poema e outro
me ensinou umas coisinhas

principalmente
PENSAR AS DIFICULDADES PARA RESOLVÊ-LAS ATRAVÉS DA AÇÃO
e ACEITAR O INEVITÁVEL COMO UM INGREDIENTE DA AVENTURA DE VIVER

me ensinou o que sempre quis aprender
SIMPLICIDADE

fora com os ornamentos
mitos
tabus
conveniências familiares ou sociais
supérfluos
ambições do paraíso

um mestre zen disse
“mente tranquila qualquer quarto escuro tem céu azul
mente em desordem o dia claro dá à luz demônios e fantasmas”

comece pela mente

quando a barra pesar demais pense em praticar uma arte marcial
(judô karatê aikidô)
a mente começa pelo corpo

aí está tudo o que pude tedizer depois de um dia de vontade
e de bloqueio
só quero que você saiba
que se você não encontrar paz em algum lugar
existirá sempre um lugar onde a paz espera você
aqui em casa
conosco
com os seus

(após a carta, recado a lápiz:)
não deixe seus problemas
se transformarem
no centro de tua vida
v. não é tristeza e dor
v. é poesia e alegria
força esperança

leminski

***

leminski2

Essa carta escrita pelo grande Paulo Leminski era endereçada ao poeta Régis Bonvicino, e está presente no ótimo “Envie Meu Dicionário – Cartas e alguma crítica”, lançado pela Editora 34 em 1999. Tava pensando como começar as “pensatas” no blog e pimba!, abro o livro justo nesta carta. O homem certo é o homem no tempo certo, diria Goethe!

A carta escrita um pouco mais de um mês antes de meu nascimento me veio em boa hora. Valeu, poeta-judoca! Eu andava chorão, boboca, reclamando da minha má sorte com uma ex-namorada, “ah, ando sem dinheiro pra viajar, tô mofando dentro de um quarto gip gip nheco nheco”, e, no instante seguinte, fechei o notebook e corri pra minha biblioteca: assim como fazia quando era garoto e me sentia fora de ordem com meu espaço, lá fui eu me perder nos labirintos de meus livros. Anotem aí um bordão babaca/realista: quem tem livros viaja a qualquer lugar, porra!

Óbvio: “matar” o Facebook ajudou muito nessa redescoberta de um Jorge Luís Borges, de um Leminski, de um Tolstói. E tava tudo ali, a pouco mais de 5 metros do meu quarto. É isso aí, poeta: não sou (somos) tristeza e dor!

Todas as cartas são escritas versificadas; todas são amáveis e acolhedoras; tudo é espanto e insights luminosos. Tudo nela lembra um amigo sábio e generoso que todos deviam ter.

Sejam bem-vindos a estas pensatas – um espaço onde vigora uma ética de amigos.

p.s: numa carta de abril de 78, Leminski manda o nome de um artigo que escreveria sob encomenda para a revista Atenção. Oportuno: “FÚTILBOL: A ALEG(O)RIA DO PO(L)VO.