FunkadelicMotorCity

E… Zás!! #20 – Uma geral no que anda rolando!

1. Pra Justiça brasileira, uma mão lava a outra. Na casa de Luiz Fux, filho de peixe, peixinho é.

 

E só com canção infantil das boas pra rir disso tudo…

2. Após relançar as obras de Clarice Lispector e Lygia Fagundes Telles, a editora Rocco reedita outro importante autor brasileiro:  Autran Dourado. Li A Ópera dos Mortos do autor nos tempos de faculdade e me botou uma ou duas ideias boas na cachola. O tipo de realismo que ele cria, avesso ao fantástico de seus pares latinos e pouco dado à ríspidez de um Graciliano Ramos, por exemplo, é um tipo de escrita muito singular ainda hoje.  

 

3. E o Oscar de melhor figurino vai para…


cospobre

Essa e outras criações originais você encontra no glamuroso COSPOBRE.

4. O site Fita Bruta manda avisar que “Jay-Z e Kanye West gostariam que você soubesse que eles ainda estão vivos”. Tá bom, como se precisasse avisar algo… Dois dos maiores artistas contemporâneos não precisam desse tipo de gancho besta. Mas, beleza: eles colocaram dois sons novos dos feras que merecem ser escutados.

"Mostra pra esses cu como é que faz!"

“Mostra pra esses cu como é que faz!”

5. E o cerco aos cretinos neonazistas de Belo Horizonte (que já havia tratado aqui) vai se acirrando. E o portal da EBC fez um Mapa da Intolerância no Brasil muito interessante. Leiam e divulguem!

 

Estilo assim não se encontra por aí!

Estilo assim não se encontra por aí!

6. Quando o assunto é funk e descontração, não há receita melhor que os combos Funkadelic e Parliament, capitaneados pelo mago George Clinton.

O documentário abaixo é um curso rápido e suingado para entender o peso desses grupos para a história do gênero. O “P-Funk” desses grupos teve um profundo impacto sobre o desenvolvimento da música e cultura negra contemporânea. O diretor do filme usa como narrador um “Afronauta”, personagem central do disco-manifesto Mothership Connection e as animações e cenários do filme emanam a atmosfera amalucada da obra desses grupos e conta com depoimentos dos já falecidos membros originais Ray Davis, Calvin Simon, Grady Thomas e Clarence “Fuzzy” Haskins, além do supracitado George Clinton e Bootsy Collins, Bernie Worrell, Garry Shider, Silva Dawn, além de artistas como Rick James, Ice Cube, Flea e Anthony Kiedis, do Red Hot Chili Peppers, De La Soul, Shock G dando testemunhos do poder da música P-Funk. FUNDAMENTAL, apenas isso.

 

 

7. Prestem atenção ao trabalho do MC/beatmaker Estranho. Aquele climão rap underground, batidas lo fi, mas com um ou dois truques na manga. Depois não digam que não foram avisados.