Parteum

Parteum Passo Sempre Adiante

O Parteum já apareceu aqui neste blog, em razão de uma matéria que escrevi para a +Soma com ele e seu irmão, Rappin Hood (você pode lê-la aqui). A primeira coisa que me agrada nele é o fato dele ser um trabalhador muito competente, antes de qualquer coisa. A segunda, é que, se for possível pensar em um conceito de “rap progressista” no Brasil, acredito que sua música seria a encarnação perfeita do tempo. E é sobre esta faceta e sua série de vídeos Raciocínio Quebrado que quero falar.

Vale assinalar que dizer que Parteum é um rapper do “progresso”, não carrega coloração ideológica tão acentuada quanto dizer, por exemplo, que ele é um artista “reacionário” ou “revolucionário”. O que me faz pensar em termos de “progresso” é o fato dele ser cioso/ciente de sua obra no sentido que ela pode e deve ir adiante, não ficando preso à fórmula alguma, sempre pensando no desenvolvimento e no aperfeiçoamento do que veio antes, seja de outrém ou de sua própria lavra. É sempre uma música exploratória – de timbres, beats, temáticas. E nesse instante da história da música jovem, onde publicidade parece ditar e/ou andar lado a lado com a criação artística de forma inescrupulosa, isso é algo muito saudável – ainda que este fato torne sua produção aparentemente extemporânea. Mas todos sabemos que estes falsos consensos e retrocessos da música pensada enquanto indústria de consciência é tem aquela solidez de que se dissipa no ar em algum momento. Daí que a obra do Parteum vai “sobrar” estóica e intacta.

Na série em vídeo Raciocínio Quebrado (produção da produtora do rapper, Mudroi, o rapper/produtor vai criando uma narrativa de sua própria ação enquanto artista (e é incrível como diz respeito profundamente a certa atmosfera paulistana) e, em paralelo, pinta um quadro de suas predileções (skate, tecnologia etc etc), esbarrando, vez por outra, em seu trabalho em relação com marcas de skate, sobretudo. E é este último fato que me salta aos olhos: Parteum não se torna refém simbólico destas empresas – o exato oposto de diversos artistas. Pra mim, isso é praticamente uma ciência por si só, não saberia explicar, mas sei que exige um tanto de sagacidade e discernimento – adjetivos caros à própria produção artística dele.

Abaixo, vão os 7 episódios da série até o momento (recomendo começar pelo último), para que vocês possam assisti-los e, inclusive, poder discordar ou concordar dessa pensata.

Ademais, Parteum é sempre motivo pra discussão para quem gosta de MÚSICA por si só.

3 pensamentos sobre “Parteum Passo Sempre Adiante

  1. Desculpa, mas não dá para engolir que o Parte Um não está conectado à lógica do capitalismo via apple, certo? Que ele é um gênio isso é indiscutível, mas que ele não está vinculado a um esquema publicitário, comerical não dá para passar em branco por mais que seu texto tente aliviar essa dimensão …

    • caro, não é questão de “aliviar”. O caso da Apple nem foi meu objeto de estudo, já que até onde sabemos, ele não ganha grana de publicidade ou o que seja da mesma. Fez uma resenha de um produto deles, elogiosa etc, mas ainda uma resenha, mais coisa de um aficcionado por tecnologia. A relação com marcas da qual falo é quando ele fala em outros episódios de produtos que ele desenvolveu conjuntamente etc. De qualquer forma, obrigado pelo parecer.

Os comentários estão desativados.