convite-online-1-jonas-mekas

Mostra Jonas Mekas em São Paulo

O Centro Cultural Banco do Brasil e o Cinusp em São Paulo abrem, a partir da quarta, dia 30 de janeiro, uma COMPLETÍSSIMA mostra com a obra do cineasta Jonas Mekas. O lituano radicado nos Estados Unidos, pra quem não conhece e sacar um pouco da “temperatura” da obra dele, era ligado ao George Maciunas e o grupo Fluxus, filmou Andy Warhol e o Living Theater, era próximo do John Lennon e a Yoko Ono, camaradinha do Allen Ginsberg… Se você não conhece, vai lá porque vai te dar muito pano pra manga pra pensar o mundão.

Abaixo, a programação e a sinopse dos filmes.

 

Programação CCBB

 30/01 . QUARTA

18h Reportagem do Vietnam à maneira de Time ou Fortune + As armas das árvores – 91’

20h A prisão – 68’

31/01 . QUINTA

16h Pull My Daisy – 28’ sessão apresentada por Maria Chiaretti

18h Boletim de Millbrook + Hare Krishna +  Cenas dos últimos três dias na Terra de Allen como espírito – 79’

20h Premiação de Andy Warhol + Cenas da vida de Andy Warhol: amizades e interseções + Algumas notas sobre a Factory – 111’ sessão apresentada por Tiago Mesquita

01/02 . SEXTA

17h Wavelength – 45’  sessão apresentada por Ismail Xavier

18h Re: Maciunas e Fluxus – 107’

20h Feliz aniversário, John + Zefiro Torna ou cenas da vida de George Maciunas + Esse lado do paraíso – fragmentos de uma biografia inacabada – 93’

02/02 . SÁBADO

14h30 Cassis + Notas para Jerome – 50’

16h Williamsburg, Brooklyn + Reminiscências de uma viagem para a Lituânia + Reminiszenzen aus Deutchland – 122’

18h30 Lost Lost Lost – 180’

03/02 . DOMINGO

14h30 Notas sobre o circo + Quarteto número um + Canção de Avignon + Entre dois – 81’

16h Scenes from under Childhood – 135’

18h30 Walden – 180’

06/02 . QUARTA

14h Paraíso ainda não perdido (aka o terceiro ano de Oona) – 97’

16h Ao caminhar entrevi lampejos de beleza – 300’

07/02 . QUINTA

16h Do deserto ele conta os segundos de sua vida – 150’

19h Debate – Yann Beauvais, Patrícia Mourão, mediação de Mateus Araújo

08/02 . SEXTA

15h Notas sobre o circo + Quarteto número um + Canção de Avignon + Entre dois – 81’

17h Lost Lost Lost – 180’

20h30 Wavelenght – 45’

 

09/02 . SÁBADO . Programação especial de carnaval!

13h30 Premiação de Andy Warhol + Cenas da vida de Andy Warhol: amizades e interseções + Algumas notas sobre a Factory – 111’

15h45 O cinema não tem 100 anos + Nascimento de uma nação – 89’

17h45 Histórias de insônias – 114’

20h Flaming Creatures – 41’

10/02 . DOMINGO

14h Paraíso ainda não perdido (aka o terceiro ano de Oona) – 97’

16h Reportagem do Vietnam à maneira de Time ou Fortune + As armas das árvores 91’

18h  Pull My Daisy – 28’

19h  A prisão – 68’

 13/02 . QUARTA

18h Cassis + Notas para Jerome – 83’

20h Retrato fílmico – 81’

14/02 . QUINTA

15h Scenes from under childhood – 135’

17h30 Flaming Creatures – 41’

18h30 Walden – 180’

15/02 . SEXTA

15h30 O cinema não tem 100 anos + Nascimento de uma nação – 89’

17h30 Williamsburg, Brooklyn + Reminiscências de uma viagem para a Lituânia + Reminiszenzen aus Deutchland – 122’

20h Ein Märchen aus alten Zeiten + Notas sobre a utopia – 61’

16/02 . SÁBADO

15h Programa Marie Menken – Relances do jardim + Notebook + Go! Go! Go! + Andy Warhol – 41’

16h Ao caminhar entrevi lampejos de beleza – 300’

17/02 . DOMINGO

15h Feliz aniversário, John + Zefiro Torna ou cenas da vida de George Maciunas + Esse lado do paraíso – fragmentos de uma biografia inacabada – 93’ (sessão apresentada por Pedro França)

17h Do deserto ele conta os segundos de sua vida – 150’

20h Restos da vida de um homem feliz – 68’

 Programação CINUSP

 04/02 . SEGUNDA

16h Reportagem do Vietnam à maneira de Time ou Fortune + As armas das árvores

19h Do deserto ele conta os segundos de sua vida – 150’

05/02 . TERÇA

16h Hare Krishna + Boletim de Millbrook + Cenas dos últimos três dias na Terra de Allen como espírito 79’

19h Lost Lost Lost – 180’

06/02 . QUARTA

 16h Feliz aniversário, John + Zefiro Torna ou cenas da vida de George Maciunas + Esse lado do paraíso – fragmentos de uma biografia inacabada – 93’

 19h Premiação de Andy Warhol + Cenas da vida de Andy Warhol: amizades e interseções + Algumas notas sobre a Factory – 111’

 07/02 . QUINTA

16h Programa Marie Menken – Relances do jardim + Caderno + Go! Go! Go! + Andy Warhol – 41’

19hWalden – 180’

08/02 . SEGUNDA

16h Paraíso ainda não perdido (aka o terceiro ano de Oona) – 97’

19h Retrato fílmico – 81’

 18/02 . SEGUNDA

16h Re: Maciunas e Fluxus – 107’

19h Ein Märchen aus alten Zeiten + Notas sobre a utopia – 61’

 19/02 . TERÇA

16h Histórias de insônias – 114’

19h Restos da vida de um homem feliz – 68’

SINOPSES

 As armas das árvores / Guns of the Trees | 1962, 35 mm, pb, 87’, 12 anos | exibição em formato digital

Dois casais – um de negros e um de brancos – vivem em Nova York, onde paira, em 1960, o espectro da bomba atômica. Com interlúdios escritos e recitados por Allen Ginsberg, este filme é a única ficção de Jonas Mekas.

A prisão / The Brig | 1964, 16 mm, pb, 68’, 12 anos

Em 1964 Jonas Mekas assistiu à última apresentação de The Brig pelo The Living Theatre, antes que o grupo tivesse de desocupar o teatro no qual estavam ensaiando e se apresentando. Impactado, ele convence o grupo a invadir o teatro e a reencená-la uma última vez, na noite seguinte.

Premiação de Andy Warhol /Award Presentation to Andy Warhol | 1964, 16 mm, pb, 12’, 12 anos

A revista Film Culture, fundada pelos irmãos Mekas em 1955, concedeu, em seu sexto ano de premiação, o prêmio de melhor filme independente a Andy Warhol porSleep, Haircut, Eat, Kiss and Empire (1964). Recusando-se a recebê-lo pessoalmente na cerimônia dos premiados, Warhol é agraciado com uma visita de Mekas para a entrega do “troféu”.

Boletim de Millbrook / Report from Millbrook | 1966, 16 mm, cor, 12’, 12 anos

Um fim de semana com Timothy Leary, neurocientista que ficou famoso por suas experiências com LSD. Na banda sonora, uma entrevista com o xerife de Millbrook, responsável por vigiar a casa de Leary.

Cassis | 1966, 16 mm, cor, 5’, livre

Retrato pontilista do porto de Cassis, vilarejo no sul da França, durante uma visita a Jerome Hill.

Hare Krishna | 1966, 16 mm, cor, 4’, livre | exibição em formato digital

Um domingo em Nova York, o começo da new age, jovens dançam e cantam “hare hare”, enchendo as ruas com amor. Na trilha, os poetas Allen Ginsberg e Peter Orlovsky.

Notas sobre o circo / Notes on the Circus | 1966, 16 mm, cor, 12’, livre

Cores, movimentos e memórias de um circo. O filme foi inteiramente montado na câmera, durante as filmagens.

Reportagem do Vietnam à maneira de Time ou Fortune / Time & Fortune Vietnam Newsreel | 1968, 16 mm, cor, 4’, livre | exibição em formato digital

Entrevista do ministro da guerra do Lapland sobre a guerra do Vietnam da maneira como o fariam revistas como Time ou Fortune.

Walden (diários, notas e esboços) / Walden (Diaries, Notes & Sketches) | 1964-68/1968-69, 16 mm, cor, 180’, livre

“Desde 1950 mantenho um diário em filme. Tenho andado por aí com minha Bolex e reagido à realidade imediata. Certos dias filmo 10 fotogramas, noutros 10 segundos, noutros ainda 10 minutos. Ou não filmo nada… Walden contém materiais dos anos 1965-69, montados em ordem cronológica.”

Reminiscências de uma viagem para a Lituânia / Reminiscences of a Journey to Lithuania | 1971/1972, 16 mm, cor/pb, 82’, livre

“Este filme se divide em três partes. A primeira é composta de filmes que fiz com minha primeira Bolex quando chegamos na América, sobretudo entre os anos 1950 e 1953. São imagens da minha e da vida de Adolfas [seu irmão], daquilo com que parecíamos na época. A segunda parte foi filmada em 1971 na Lituânia. Quase tudo em Seminiskiai, meu vilarejo natal. Vemos minha antiga casa, minha mãe (nascida em 1887), todos os meus irmãos celebrando nossa volta. A terceira começa com um parêntese em Elmshorn, onde passamos um ano num campo de trabalhos forçados durante a guerra. Após fechar o parêntese, nos encontramos em Viena com alguns dos meus melhores amigos.”

Lost Lost Lost | 1949-63/1976, 16 mm, cor/pb, 180’, livre

“O período que descrevo nesses seis rolos de filme foi um período de desesperança, de tentativas de me enraizar nesta terra nova, de criar novas memórias. Nesses seis dolorosos rolos, tentei descrever os sentimentos de um exilado, meus sentimentos durante aqueles anos. (…). O sexto rolo é uma transição, ele mostra quando começamos a relaxar, quando comecei a encontrar momentos de felicidade.”

Entre dois / In Between | 1964-68/1978, 16 mm, cor/pb, 52’, livre

“As imagens do filme vêm do material não utilizado em Walden. Parte delas foi filmada entre (in between) Walden e Lost Lost Lost. O filme mostra Nova York, alguns planos de viagem e meus amigos. O som foi gravado no mesmo momento. Um pouco de música de rádio, alguns discos, minha própria voz, vozes dos amigos.”

Notas para Jerome / Notes for Jerome | 1966-74/1978, 16 mm, cor, 45’, livre

Essa homenagem ao artista e cineasta Jerome Hill é a primeira de uma série de retratos e elegias que Mekas irá dedicar aos amigos falecidos. O Anthology Film Archives e a coleção “Essential Cinema” existiram graças ao apoio financeiro de Jerome Hill.

Paraíso ainda não perdido (aka o terceiro ano de Oona) / Paradise Not Yet Lost (aka Oona’s Third Year) | 1977/1979, 16 mm, cor, 96’, 12 anos | exibição em formato digital

“É um filme-diário, mas é também uma meditação sobre o tema do paraíso. É uma carta a Oona [filha de Mekas] para ajudá-la, um dia, a se lembrar de como era o mundo ao seu redor quando tinha três anos (…). Um guia romântico para lembrá-la dos valores essenciais da vida, num mundo artificial e comercial.”

Do deserto ele conta os segundos de sua vida / He Stands in a Desert Counting the Seconds of His Life | 1969-1984/1985, 16 mm, cor, 150’, 12 anos

“Na origem, eu tinha a intenção de chamar este filme de Esboços antropológicos. Ele traz, de um lado, cenas, atividades, acontecimentos, eventos exteriores, ou quase, da minha vida que observei com um pouco de distância. De outro, traz algumas passagens que tocam minha vida privada; eu os incluí para equilibrar e aquecer o material impessoal.”

Cenas da vida de Andy Warhol: amizades e interseções/ Scenes from the Life of Andy Warhol: “Friendship and Intersections” | 1965-82/1990, 16 mm, cor, 35’, 12 anos

Colagem das filmagens que Mekas fez de Warhol durante o período em que conviveram. O filme alterna sequências mostrando a dimensão pública de Warhol – vê-se sua retrospectiva no Whitney Museum, o primeiro concerto do Velvet Underground –, com outras retratando momentos cotidianos e íntimos: na praia, com amigos. Vemos Edie Sedgwick, Gerard Malanga, George Maciunas, Yoko Ono, John Lennon, Caroline e John Kennedy Jr., entre outros.

Quarteto número um / Quartet Number One | 1974-1985/1991, 16 mm, cor, 8’, livre | exibição em formato digital

Quarteto foi o primeiro de uma série prevista de filmes curtos, nos quais Mekas utilizaria o material bruto que vinha acumulando sem nunca montar. O projeto nasce do desespero do cineasta diante das películas que guardava e começam a se perder com o passar do tempo.

Zefiro Torna ou cenas da vida de George Maciunas / Zefiro Torna or Scenes from the Life of George Maciunas | 1952-78/1992, 16 mm, cor/pb, 34’, 14 anos

Homenagem ao amigo de longa data George Maciunas, lituano, como ele, e com quem partilhava o entusiasmo, a liberdade e o espírito anárquico que marcaram a arte dos anos 1960. O filme traz os mais belos registros das performances do Fluxus, grupo para o qual Maciunas foi determinante.

Feliz aniversário, John / Happy Birthday to John | 1996, 16 mm, cor, 24’, 12 anos

Registro do aniversário de John Lennon em petit comité, após a estreia de um show de John e Yoko. Composto de documentos raros como o show do casal no Madison Square Garden e no Central Park Vigil, o filme possui uma banda sonora composta por canções de aniversário entoadas por John, Yoko, Ringo, Ginsberg, etc.

O cinema não tem 100 anos / Cinema is Not 100 Years Old | 1996, vídeo, cor, 5’, livre

Mekas questiona as comemorações dos 100 anos do cinema e tudo aquilo que se entende por cinema.

Nascimento de uma nação / Birth of a Nation | 1997, 16 mm, cor, 85’, livre

Um retrato retrospectivo de uma comunidade unida pela busca utópica do renascimento do cinema, composto por 160 esquetes com aparições de cineastas e ativistas pelo cinema independente.

Cenas dos últimos três dias de Allen na terra, como espírito / Scenes from Allen’s Last Three Days on Earth as a Spirit | 1997, vídeo, cor, 67’, 12 anos

Depois da morte de Allen Ginsberg,  poeta e um dos líderes da geração beat, seus amigos e alguns monges budistas encontram-se em seu apartamento para a cerimônia que irá prepará-lo para a viagem em direção ao mundo espiritual.

Canção de Avignon / Song of Avignon | 1998, 16 mm, cor, 9’, livre | exibição em formato digital

O filme retoma uma viagem a Avignon, em 1966, que, segundo Mekas, o ajudou a superar uma crise profunda. Na banda sonora trechos do seu diário são lidos por Angus MacLise, primeiro baterista do Velvet Underground.

Algumas notas sobre a Factory / A Few Notes on the Factory | 1999, vídeo, cor, 64’, livre

O vídeo tenta retraçar a história da Factory, o antológico estúdio de Andy Warhol, através de descrições e um passeio à procura de seu endereço.

Esse lado do paraíso – fragmentos de uma biografia inacabada / This Side of Paradise: Fragments of an Unfinished Biography | 1968-73/1999, 16 mm, cor, 35’, livre

Entre o final dos anos 1960 e o início dos anos 1970, Mekas passou os verões com Jackie Kennedy, sua irmã, Lee Radziwill, e seus filhos. O período ainda era muito próximo da morte trágica de Kennedy e o convívio com o cinema foi uma das maneiras que Jackie encontrou para ajudar os filhos no luto. Mais tarde, Mekas pensou em fazer uma biografia de John Kennedy, os fragmentos inacabados dessa biografia ele reuniu neste filme.

Ao caminhar entrevi lampejos de beleza / As I Was Moving Ahead Occasionally I Saw Brief Glimpses of Beauty | 1970-1999 / 2000, 16 mm, cor, 288’, 12 anos

“Meus diários em filme de 1970 a 1999. O filme cobre meu casamento, o nascimento dos meus filhos. Nós os vemos crescer. Imagens da vida cotidiana, fragmentos de felicidade e de beleza. A passagem das estações em Nova York, a vida em casa, a natureza. Nada de extraordinário, nada de especial, coisas que todos nós vivemos ao longo de nossas vidas. Este filme é também meu poema de amor dedicado a Nova York, seus verões, seus invernos, suas ruas, seus parques.”

Ein Märchen Aus Alten Zeiten | 2001, vídeo, cor, 6’, livre

O 11 de setembro filmado da janela da casa de Mekas e enquadrado em uma fábula, a única maneira, segundo o autor, de lidar com algo dessa magnitude. O título é do filme um verso de “Loreley”, poema de Heinrich Heine e significa “uma lenda dos velhos tempos”.

Williamsburg, Brooklyn | 1950-72/2002, 16 mm, cor/pb, 15’, livre

Imagens do primeiro ano de Mekas em Nova York. Williamsburg é uma região no Brooklyn onde os imigrantes lituanos moravam, inclusive os irmãos Mekas.

 

Notas sobre a utopia / Notes on Utopia | 2005, vídeo, cor, 55’, 12 anos

Tudo o que Mekas pensa sobre a utopia e suas variações, o Jardim do Éden, o Paraíso e as teorias sociais, políticas e poéticas sobre a utopia. Vídeo divido em quatro partes.

Re: Maciunas e Fluxus / Re: Maciunas and Fluxus | 2011, vídeo, cor, 87’, 14 anos

Seleção de momentos memoráveis das performances do grupo Fluxus montados para uma projeção excepcional no Performa Festival 2011 (festival bienal que ocorre em Nova York).

Histórias de insônias / Sleepless Nights Stories | 2011, vídeo, cor, 114’, 14 anos

As mil e uma noites da verdadeira vida de Jonas Mekas. Vinte e cinco encontros e suas histórias.

Reminiszenzen aus Deutschland | 2012, vídeo, cor, 25’, livre

“Este filme é minha primeira tentativa de introduzir brevemente o período alemão da minha vida: de julho de 1944 a outubro de 1949. Usando fotos originais da época e imagens feitas em 1971 e em 1993, revisito Elmshorn, Flensburg, Wiesbaden, Mainz, e Kassel, onde passei diversos anos da minha vida – primeiro como trabalhador forçado num campo de prisioneiros de guerra, mais tarde em campos de refugiados [displacement persons camps] .”

Restos da vida de um homem feliz / Outtakes from the Life of a Happy Man | 2012, 16 mm, cor, 68’, 14 anos   

“Em minha sala de montagem há uma estante cheia de latas de filmes que remontam aos anos 1950. É um material relacionado ao meu trabalho, de 1950 até hoje, mas que não encontrou seu lugar nos meus filmes. E todas elas estão se apagando, lentamente. Algumas já desapareceram. Quando da minha exposição na Serpentine [galeria londrina], decidi que era o momento de reunir todo esse material neste que será meu último filme em película.”

Programação complementar – “Essential Cinema”

Pull My Daisy | Robert Frank e Alfred Leslie, 1959, 16 mm, pb, 28’, 14 anos

Pull My Daisy é um clássico sobre a alma da geração beat feito em parceria com os escritores Jack Kerouac e Allen Ginsberg. A narrativa parte de uma visita feita por um bispo e sua mãe ao trabalhador ferroviário Milo. Paralelamente, os amigos do trabalhador – Allen Ginsberg, Peter Orlovsky e Gregory Corso – colocam questões ao bispo sobre o significado da vida e a relação diária entre vida, arte e poesia.

Flaming Creatures | Jack Smith, 1963, 16 mm, pb, 41’, 16 anos

Livremente inspirado nas interpretações da atriz Maria Montez (1912-1951), Flaming Creatures se apresenta como celebração decadente da alegria, orgia pagã e baile carnavalesco. Corpos de travestis com seios à mostra, hermafroditas, vampiros e espanholas se entrelaçam em chave paródica, ao ritmo de uma banda sonora que mistura trilhas de filmes épicos, música nipônica, falsas locuções publicitárias, gritos e canções populares dos anos 50.

Cenas de sob a infância / Scenes from Under Childhood | Stan Brakhage, 1967-1970, 16 mm, cor, 135’, livre

No filme, dividido em quatro partes, o cineasta acompanha o crescimento dos filhos e procura exprimir o ato de ver uma criança desde o seu nascimento.

Relances do jardim / Glimpse of the Garden | Marie Menken, 1957, 16 mm, cor, 5’ , livre

Curto filme contemplativo de um jardim exuberante acompanhado pelo som do canto dos pássaros. A simplicidade e o lirismo dos filmes de Menken abrem uma nova possibilidade para o cinema experimental norte-americano, naquele momento muito mais formalista e fortemente marcado por simbolismos. Mekas e Stan Brakhage reconhecem a influência de Menken em seu estilo.

Caderno / Notebook | Marie Menken, 1962-1963, 16 mm, cor, 11’, livre

Composto por fragmentos de filmes, pequenos poemas visuais filmados – e nunca editados – entre o fim dos anos 1940 e os anos 1960, o filme introduz uma nova possibilidade de se fazer e exibir filmes: de modo caseiro e artesanal.

Go! Go! Go! | Marie Menken, 1962-1964, 16 mm, cor, 12`, livre

Um passeio pelos bairros de Nova York, filmados a partir de um carro em movimento. Segundo Menken, o filme é um tour de force sobre as atividades humanas.

Andy Warhol | Marie Menken, 1965, 16 mm, cor, 18’, livre

Com câmera na mão, Menken filma Warhol e seus assistentes, incluindo Gerard Malanga, trabalhando na Factory. O resultado é um retrato íntimo de um artista durante o processo criativo de algumas de suas obras mais conhecidas, como Brillo Boxes, Jackie Series e The Flowers Silkscreens.

Wavelength | Michael Snow, 1966-67, 16 mm, cor, 45’, livre

Um zoom de 45 minutos por uma sala vazia, acompanhado do crescendo de uma onda sinodal. Verdadeira experiência sensorial e minimalista, o filme marca um ponto de virada no cinema experimental norte-americano rumo ao que P. Adams Sitney chamou de cinema estrutural.

Retrato fílmico / Film Portrait | Jerome Hill, 1971, 16 mm, cor, 81’, livre

Filme autobiográfico realizado pelo artista e cofundador do Anthology Film Archives Jerome Hill, mecenas que tornou possível a existência do “Essential Cinema”. Com seu falecimento logo após a finalização do filme, o filme se tornou uma espécie de memorial de Hill.