"A referência / chegou primeiro / trazendo alguém que não conheço"

Dádiva ou Maldição

São 5:46 da manhã. Passei a madrugada rolando, pensando em milhões de coisas, nada do sono chegar. Lá pelas 4, veio a ideia INTEIRA de uma peça de teatro, inclusive como uma música que iria dialogar através de recortes pontuais com ela. JURO: veio tudo de uma vez!

Como se fosse pouco, veio também o Film Socialisme do Godard  no pacote. Não é propriamente o filme, mas uma transcriação dele que formará o cenário de fundo. E mesmo esse arranjo veio definido até mim.

A cereja do bolo? Acreditem, o tema do texto, na superfície e nas camadas até onde minha consciência [alcança, não tem nada que ver nem com um nem com outro! Hell yeah!

Agora, o mais bizarro foi ligar o computador, ir ao youtube pra reouvir a música que serviu de guia/musa pro texto e encontrar dois vídeos realizados por fãs cujas imagens encontram ressonância EXATA com temas do meu texto. É pra ter medo? Zeitgeist? Um espírito tomou posse de mim? Sei que senti aquele ardor e calafrio descrito à exaustão na literatura por criadores das áreas mais diversas quando finalmente tem o rompante do “Eureka!”. Só espero sair dessa espiral transcendental com minha sanidade (ou o que falta dela) intacta.

Falta eu viver uma experiência agora em Pouso Alegre no fim de ano pra terminar a escrita. Estranho, sim. Mas só assim posso encerrar isso. Sério.

O curioso é que o texto só faz sentido como teatro – e faz uns 5 meses que não vou a nenhuma peça. Ah, como não poderia deixar de ser, nomeei o documento da peça com o nome de Lavado – Uma Peça Socialismo.

Num vejo mal em compartilhar os vídeos com vocês.